Movimento Tiradentes

A melhor forma de falar é fazer

Arquivo por Agosto, 2008

Faltando pouco tempo para as eleições é muito bom refletir sobre o significado do ato que temos o direito e o dever de praticar.
O voto a maioria sabe o que é: o ato pelo qual o eleitor manifesta sua vontade de que aquele cidadão, que é candidato, e não outro, o represente na administração da cidade (eleições municipais), do Estado ou do País (em outras).
E o mandato? O mandato é o ato pelo qual o eleitor delega seus poderes (aquele que ele detém enquanto povo) para que alguém o exerça em seu nome. Vale dizer o eleitor vai mandar alguém administrar a cidade em nome dele, eleitor!.
Em seu art. 1.288 o Código Civil afirma: Opera-se o mandato, quando alguém recebe de outrem poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar interesses. A procuração é o instrumento do mandato .
Evidentemente esse é o mandato civil ou comercial, mas o mandato público ou eletivo conserva, na essência, esse conceito: alguém recebe de outrem poderes para representar o outorgante. É por isso que os políticos são chamados de representantes do povo. E eles o são de fato? Cuidam realmente dos interesses do povo. Se sim, tendo o povo tantas pessoas cuidando do interesse da população, por que ela está tão mal?
Votar é como outorgar uma procuração. Você daria uma procuração ao seu candidato?
É um problema sério: você assinaria um documento para seu candidato administrar seus (note: seus, de você, não os dele) bens ? Se ele não merece sua confiança a esse ponto talvez não faça jus ao seu voto! Pense nisso antes de escolher um candidato e muito mais antes de votar!
Já ouvi alguém dizer que voto para vereador tem menos importância que para prefeito. Teoricamente sim porque sendo a Câmara um órgão colegiado o voto de um vereador vale por um e o prefeito sozinho pode vetar uma decisão, ou parte dela, de toda a Câmara.
Mas não se esqueça que um vereador vai ser o Presidente da Câmara e na falta ou impedimento do Prefeito e seu vice esse vereador assumirá a Prefeitura.
Portanto todos os vereadores poderão, eventualmente, ser o Prefeito! Então escolher bem o vereador também é muito importante. Ele poderá ser o Chefe do Legislativo e se tornar o Chefe do Executivo.
Seu candidato é honesto? Isso é apenas o mínimo que se espera de quem pretende exercer um mandato eletivo. Ele está oferecendo alguma coisa em troca do seu voto ? Se pelo ato de oferecer sua honorabilidade já pode ser posta em dúvida.
O pior é que há eleitores que exigem benefícios ou favores. Só voto em quem me der isto ou aquilo, dizem!.
Antigamente um mulher que saia com vários homens era chamada de puta. Só que ninguém usava o masculino: puto. E como ela poderia exercer sua profissão sem eles? Hoje o nome é garota de programa e há o masculino também. Mas para quem usa os serviços desses profissionais não há um nome específico.
No caso do candidato, quem é mais corrupto quem oferece ou dá benefícios ou quem os exige? Logo se você é dos que exige favores do seu candidato sua moral não está nada acima do nível daquele que os oferece.Hoje a lei é rigorosa e pune severamente tanto quem dá como quem recebe tais benefícios. Mas o problema é a prova dos fatos. É como adultério, sempre feito às escondidas ! Se não for assim tem outro nome!
Por seu turno o candidato precisa convencer seu futuro eleitor de que ele é bom e merece seu voto.
Já se disse que “Política é a arte de governar com o máximo e promessas e o mínimo de realizações” (Júlio de Camargo, em A arte de Sofismar).
Assim se o candidato for inteiramente sincero talvez não tenha sucesso. E insucesso é a morte em política. Quem entendia disso afirmou:“A política é quase tão excitante quanto a guerra, e não menos perigosa. Na guerra a gente só pode ser morta uma vez, na política diversas vezes” (Winston Churchill)
O VOTO, O MANDATO E VOCÊ.
Faltando pouco tempo para as eleições é muito bom refletir sobre o significado do ato que temos o direito e o dever de praticar.
O voto a maioria sabe o que é: o ato pelo qual o eleitor manifesta sua vontade de que aquele cidadão, que é candidato, e não outro, o represente na administração da cidade (eleições municipais), do Estado ou do País (em outras).
E o mandato? O mandato é o ato pelo qual o eleitor delega seus poderes (aquele que ele detém enquanto povo) para que alguém o exerça em seu nome. Vale dizer o eleitor vai mandar alguém administrar a cidade em nome dele, eleitor!.
Em seu art. 1.288 o Código Civil afirma: Opera-se o mandato, quando alguém recebe de outrem poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar interesses. A procuração é o instrumento do mandato .
Evidentemente esse é o mandato civil ou comercial, mas o mandato público ou eletivo conserva, na essência, esse conceito: alguém recebe de outrem poderes para representar o outorgante. É por isso que os políticos são chamados de representantes do povo. E eles o são de fato? Cuidam realmente dos interesses do povo. Se sim, tendo o povo tantas pessoas cuidando do interesse da população, por que ela está tão mal?
Votar é como outorgar uma procuração. Você daria uma procuração ao seu candidato?
É um problema sério: você assinaria um documento para seu candidato administrar seus (note: seus, de você, não os dele) bens ? Se ele não merece sua confiança a esse ponto talvez não faça jus ao seu voto! Pense nisso antes de escolher um candidato e muito mais antes de votar!
Já ouvi alguém dizer que voto para vereador tem menos importância que para prefeito. Teoricamente sim porque sendo a Câmara um órgão colegiado o voto de um vereador vale por um e o prefeito sozinho pode vetar uma decisão, ou parte dela, de toda a Câmara.
Mas não se esqueça que um vereador vai ser o Presidente da Câmara e na falta ou impedimento do Prefeito e seu vice esse vereador assumirá a Prefeitura.
Portanto todos os vereadores poderão, eventualmente, ser o Prefeito! Então escolher bem o vereador também é muito importante. Ele poderá ser o Chefe do Legislativo e se tornar o Chefe do Executivo.
Seu candidato é honesto? Isso é apenas o mínimo que se espera de quem pretende exercer um mandato eletivo. Ele está oferecendo alguma coisa em troca do seu voto ? Se pelo ato de oferecer sua honorabilidade já pode ser posta em dúvida.
O pior é que há eleitores que exigem benefícios ou favores. Só voto em quem me der isto ou aquilo, dizem!.
Antigamente um mulher que saia com vários homens era chamada de puta. Só que ninguém usava o masculino: puto. E como ela poderia exercer sua profissão sem eles? Hoje o nome é garota de programa e há o masculino também. Mas para quem usa os serviços desses profissionais não há um nome específico.
No caso do candidato, quem é mais corrupto quem oferece ou dá benefícios ou quem os exige? Logo se você é dos que exige favores do seu candidato sua moral não está nada acima do nível daquele que os oferece.Hoje a lei é rigorosa e pune severamente tanto quem dá como quem recebe tais benefícios. Mas o problema é a prova dos fatos. É como adultério, sempre feito às escondidas ! Se não for assim tem outro nome!
Por seu turno o candidato precisa convencer seu futuro eleitor de que ele é bom e merece seu voto.
Já se disse que “Política é a arte de governar com o máximo e promessas e o mínimo de realizações” (Júlio de Camargo, em A arte de Sofismar).
Assim se o candidato for inteiramente sincero talvez não tenha sucesso. E insucesso é a morte em política. Quem entendia disso afirmou:“A política é quase tão excitante quanto a guerra, e não menos perigosa. Na guerra a gente só pode ser morta uma vez, na política diversas vezes” (Winston Churchill)
Oswaldo José Ottaviano – advogado e corretor de imóveis Sumaré.